terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Dicas da Fefe: Manteiga Composta

Quem tem tem o costume de ir ao restaurante Outback conhece bem essa manteiga que eles servem com o pão australiano. Sim, sim! É exatamente esta a dica da Fefe de hoje! Aquela manteiga ma-ra-vi-lho-sa!
Que além de servir para acompanhar os pães, é também perfeita para finalizar pratos como peixes e carnes dando um toque super especial a cada refeição.
O modo de preparo é simples. Aqui vocês terão a base de dois sabores: limão e ervas.
Pegue 1 tablete de 200g de manteiga sem sal em temperatura ambiente e bata na batedeira até dobrar o volume. Para a de limão, acrescente o suco de 1 fruta, salsinha repicada bem minúscula, igual aquela do post da salsinha desidratada, 1/2 xícara de café de vinho branco, 1 pitada de sal, 1 pitada de pimenta do reino branca e uma pitada de noz moscada. Misture tudo muito bem e coloque sobre o papel alumínio. Enrole apertando bem as pontas para a manteiga não escapar e fazer uma lambança! Ficará no formato de um bastão. Rotule e leve ao congelador. 

Para fazer a de ervas, basta mistura-las à manteiga batida e seguir o mesmo procedimento. Eu fiz com ervas de provence. Vocês também podem fazer com alho, sálvia ou outro sabor que preferir. A de limão cai muito bem com peixes. Logo após eles prontos, basta jogar uma colherinha de chá por cima que ela derrete por cima e ele fica divino!

sábado, 26 de janeiro de 2013

Frango xadrez

Prato bem simples. Com todos os ingredientes necessários para uma refeição saudável e muito saboroso. Mais uma das dicas para quem quer praticidade com sabor.
Para servir bem 6 pessoas, corte em cubos 2 peitos de frango grandes e limpos. Também em cubos, 2 cenouras, 1 pimentão vermelho e 2 cebolas. Reserve 1 xícara de chá de amendoim e 1/2 xícara de chá de molho shoyo. Frite o frango em um pouco de óleo ligeiramente. Reserve. Na mesma frigideira jogue os legumes e deixe por aproximadamente 10 minutos. Junte o frango que reservou, acrescente o molho shoyo e deixe engrossar um pouco. Para finalizar jogue por cima os amendoins. 

Para acompanhar, arroz branco com ovos mexidos, salsinha e cebolinha. 
Bon appétit!

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

CHICAGO RESTAURANT WEEK

Aos viajantes de plantão! Mais uma super dica da Speed System.
Chicago realizará pelo 6° ano na cidade o Restaurant Week, o evento terá nada menos que 250 restaurantes participantes. Durante os dias 1º a 10 de fevereiro, a celebração gastronômica contará com menus a preço fixo de US$22 o almoço e de US$33/US$44 o jantar – bebidas e taxas serão cobradas à parte.
O grande sucesso da edição de 2012, que cresceu 28% em relação ao ano anterior em número de restaurantes, atraiu 444 mil visitantes e gerou US$ 20,9 milhões, trouxe grandes novidades para o evento deste ano, assim como reconhecimento da crescente cena gastronômica de Chicago e visibilidade mundial. Em 2013, estreiam 25 restaurantes, entre eles os renomados Balsan , bellyQ, Dragon Ranch Moonshine & BBQ, Frontier e Nellcôte.
Para ter acesso à lista completa dos participantes e fazer as reservas acesse o site www.eatitupchicago.com ou baixe o aplicativo do Choose Chicago. As entradas estão à venda no site - parte do dinheiro arrecadado será destinado ao Bear Necessities Pediatric Cancer Foundation.
Informações e reservas: Renata Azevedo 
E mail: renata@speedsystem.com.br 
Telefone: (31) 3298.1000 - Celular: (31) 9958.0628
R. Marília de Dirceu 173 - Lourdes. Belo Horizonte / MG 

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Dicas da Fefe: Sal temperado

Mais uma dica da Fefe! 
Hoje vamos aprender o sal temperado. Uma sugestão fantástica para elevar o sabor de nossas carnes, aves e peixes.
Para cada kilo de sal refinado adicione 20g de páprica picante, 10g de pimenta do reino branca, 10g de pimenta do reino preta e 7g de nós moscada.
Caso não queira colocar pimenta do reino, pode substituir por cominho. Especificamente para pescados, também pode-se substituir a pimenta por coentro em grão (moído).
É sem, dúvida, uma excelente opção para realçar o sabor de suas receitas. Experimente e bon appétit!

sábado, 19 de janeiro de 2013

Salmão com arroz 7 grãos

Neste sábado a lista de atividades de trabalho estava intensa e eu não podia perder muito tempo na cozinha.
Olhando a despensa vi um restinho do arroz 7 grãos e no congelador uma bela posta de salmão. Pronto! Almoço rápido planejado na cabeça.
Já fiz uma salada com esse arroz que está no post Filé ao molho de vinho que também vale a pena conferir!
Mas... voltando... Tirei o salmão para descongelar e lá fui eu trabalhar no computador. Quando bateu a fome resolvi começar na função cozinha! Peguei a embalagem do arroz para me lembrar como fazia e fiquei bastante satisfeita quando li o modo de preparo: Para 1 xícara de arroz (que era exatamente o que eu tinha!), junte 3 xícaras de água e leve em fogo brando com a panela semi-tampada por 30 minutos. Tempero a gosto, que no meu caso foi 1 colher de sobremesa de tempero pronto de alho e sal. 
Enquanto o arroz cozinhava fiquei pensando qual a forma mais rápida e prática para fazer o salmão. Lembrei que um programa que vi na TV do Olivier Anquier e resolvi seguir a linha dele. Numa frigideira grande aqueci uma quantidade generosa de azeite (deve ter sido o equivalente a 3 colheres de sopa). Joguei 1 colher de sobremesa daquele mesmo tempero pronto que usei para o arroz, 1 cebola cortada em fatias que deixei lá até ficar bem molhinha e dourada. Organizei as cebolas nas bordas da frigideira e coloquei com bastante cuidado a posta inteira do salmão no meio com a pele para baixo. Deixei fritando até que as bordas começassem a ficar claras. 

Peguei duas espátulas, com cuidado, e virei o peixe. Nessa hora as cebolas já estavam bem douradas e então as retirei para não queimar. Deixei a posta ali por mais uns 10 minutos. Ele fica levemente cru por dentro e bem tostadinho por fora. Conferi o sal do arroz. Estava no ponto! Coloquei-o nas bordas de uma travessa, as cebolas no meio e a posta de salmão por cima delas. Finalizei com um toque de flor de sal por cima e voilá! Uma refeição completa, muito saudável, simples, rápida e maravilhosamente deliciosa!
Bon appétit!

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Dicas da Fefe: Como descascar alho em 30 segundos


Mais uma dica da Fefe para agilizar nossas peripécias na cozinha. Como descascar alho em 30 segundos é um macete precioso. Tão rápido e simples que nem dá para acreditar que dá certo! Mas podem testar que funciona! Coloque os dentes de alho secos em um tapeware. Basta sacudir 30 segundos. Ao abrir ele estará descascado. O pessoal da Panela de Barros fez um vídeo mostrando como se faz. Confira! É como mágica!


domingo, 13 de janeiro de 2013

Maminha com legumes



Essa semana comemos uma maminha que há muito tempo mamãe não fazia. Uma dessas receitas de ter sempre na memória para a hora do aperto. Compre no supermercado uma boa peça de maminha com menos de 1kg. Tempere com sal e pimenta do reino a gosto. Passe por toda a carne mostarda Dijon e leve ao forno pré-aquecido por 35 minutos.
Ela sairá como na foto, rosada, macia e deliciosa!





Para acompanhar, legumes assados. Uma combinação que saboreamos em uma vinícola em Mendonza, na Argentina, e que trouxemos ao nosso cardápio do dia-a-dia. Uma berinjela e uma abobrinha em rodelas, mini batatas e mini cebolas. Para temperar: sal. Muito azeito por cima de todos os legumes. Papel alumínio por baixo para não grudar. Leve ao forno médio, pré-aquecido, por 2 horas. Os legumes sairão adocicados e fabulosos!
Vale a pena experimentar!
Bon appétit!

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

20 trocas que valem a pena

As vezes deixo alguns emails em minha caixa de entrada durante dias e mais dias... Mas sempre leio-os, uma hora ou outra. Em um deles recebi essas dicas nutricionais, cujos autores não foram citados no email recebido, mas que merecem nossa atenção, especialmente se quisermos levar uma vida mais saudável. Compensa conferir as 20 trocas que valem a pena alterar no nosso cardápio diário.


1 - Pão francês por integral 
Eis uma forma de começar o dia protegendo as artérias. A massa integral presenteia o organismo com boas doses de fibras. Esse ingrediente serve de alimento a bactérias aliadas que moram no intestino. Bem nutridas, algumas delas fabricam mais propionato, uma substância que tem tudo a ver com os níveis de gordura na circulação. “Ao chegar ao fígado, ela diminui a produção de colesterol”, explica a gastroenterologista Jacqueline Alvarez-Leite, da Universidade Federal de Minas Gerais. Com isso, cai também a quantidade dessa partícula no sangue.



2 - Leite integral por desnatado
Esse esquema garante a entrada do cálcio, tão caro aos ossos, sem um bando de penetras gordurosos. A bebida desnatada tem o mesmo teor do mineral, com a vantagem de ostentar menos ácidos graxos saturados. O excesso desse tipo de gordura eleva os níveis de LDL, a fração ruim do colesterol. “Isso porque reduz o número de receptores que captam LDL nas células”, ensina a nutricionista Ana Maria Pita Lottenberg, do Hospital das Clínicas de São Paulo. Se esse mecanismo não funciona direito, o colesterol vaga no sangue, pronto para se depositar na parede das artérias.

3 - Óleo de soja e outros por azeite 
O ganho dessa troca vem da combinação entre gorduras benéficas e antioxidantes que povoam o óleo de oliva. Uma de suas vantagens é fornecer doses generosas de ácidos graxos monoinsaturados. “Eles não aumentam os níveis de LDL e ainda ajudam a erguer um pouco as taxas de HDL, o colesterol bom”, afirma o cardiologista Raul Dias dos Santos, do Instituto do Coração de São Paulo. “Além disso, os compostos fenólicos do azeite evitam a oxidação do colesterol, fenômeno que propicia a formação das placas”, completa Jorge Mancini, diretor da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo.



4 - Pizza de mussarela pelas de vegetais 
A ideia pode não agradar aos fãs mais puristas das pizzarias, mas presta um enorme serviço aos vasos sanguíneos. Deixar camadas e mais camadas de queijo de lado de vez em quando significa podar gordura saturada do cardápio. Como você viu, ela protagoniza o disparo do LDL, o tipo perigoso do colesterol. Substituir a mussarela ou a quatro queijos pelas redondas cobertas de vegetais é uma saída para degustar pizzas sem receio. Opções não faltam — vale pizza de escarola, de rúcula, de brócolis e até de abobrinha. E elas oferecem um bônus: pitadas de fibras e antioxidantes.

5 - Salgadinhos por castanhas 
Essa troca é destinada àquele momento em que pinta a fome no meio do dia. Solução fácil, mas nada saudável, seria recorrer aos salgadinhos ou biscoitos recheados, petiscos que costumam contar com gordura trans em sua receita. “Ela não só faz aumentar o LDL como ainda contribui para derrubar o HDL”, alerta Ana Maria Lottenberg. Para escapar da malfeitora, aposte nas castanhas e nas nozes — legítimos depósitos da gordura monoinsaturada, que faz exatamente o trabalho oposto. “As oleaginosas ainda são fontes de antioxidantes”, lembra Jorge Mancini.



6 - Cereais açucarados por aveia 
A aveia tem fama de ser um dos cereais mais nutritivos do planeta. Por isso merece um espaço logo no café da manhã — seja na forma de flocos, seja no mingau. Um estudo da Universidade Federal de Santa Catarina comprova, mais uma vez, sua capacidade de cortar a gordura que sobra no sangue. “A aveia é rica em betaglucanas, fibras fermentadas no intestino e capazes de regular a síntese de colesterol”, explica a autora, Alicia de Francisco, que também é coordenadora para a América Latina da Associação Americana de Químicos de Cereais. “Observamos que elas ainda aumentam o HDL.”



7 - Bauru* por peito de peru e queijo branco 
Calma, não pretendemos condenar ao ostracismo um lanche tão tradicional como o bauru. O problema é que ele deixa a desejar se as taxas de colesterol já rumam aos céus. Basta averiguar seus ingredientes: queijo prato e presunto, redutos de gordura saturada e colesterol. Que tal substituí-lo por um sanduba de peito de peru e queijo branco, que é mais esbelto do que seu congênere? Experimente. Só é preciso ficar atento ao tamanho do lanche. Ora, uma gigantesca baguete recheada pode fornecer mais calorias e gorduras do que um bauru de porte modesto.



8 - Camarão por peixe
Convenhamos: frutos do mar não são tão frequentes no prato do brasileiro. Mas vale ficar atento durante aquela viagem à praia para não se abarrotar de camarões. Eles encabeçam o ranking marinho de colesterol — são 152 miligramas da gordura em uma porção de 100 gramas. Ou seja, quase o triplo do que é oferecido pela mesma quantidade de um peixe gordo como o salmão. Esse pescado se sai melhor também por outro motivo: ele é carregado de ômega-3. E uma nova pesquisa da Universidade Columbia, nos Estados Unidos, revela: o ômega diminui a captação de LDL pela parede das artérias, prevenindo as placas.


9 - Picanha por lombo 
O porco não é mais gordo que o boi nem o boi é mais gordo que o porco. Tudo é uma questão de corte. Há peças bovinas com menos gordura saturada, caso da alcatra e do filé mignon, e há aquelas parrudas, como a picanha e o cupim. O mesmo raciocínio se aplica à carne suína: o lombo é mais magro que o pernil. Mas saiba que há medidas para retalhar o possível malefício de qualquer corte rechonchudo. “Limpe a peça antes de cozinhá-la, retirando toda gordura aparente”, ensina Ana Maria. Até porque, apesar de a gente não ver, altas doses do nutriente já estão emaranhadas na carne.


10 - Manteiga por margarina (sim ou não?)
Este item eu pensei se ficaria nesse post. Resolvi copiar o email. Mas recebi textos da minha querida prima leitora do Blog, que contradizem os benefícios expostos pela margarina. Segundo o email das "20 trocas que valem a pena, "Elas mantêm uma rivalidade histórica e ainda suscitam debates entre os experts. No duelo em prol de artérias saudáveis, porém, a margarina leva certa vantagem, porque não conta com a famigerada gordura de origem animal e o colesterol. Nos últimos anos, a indústria tem acrescentado componentes à sua fórmula para torná-la mais benéfica. Entre eles, destaque para os fitosteróis, que facilitam a expulsão do colesterol pelas fezes. “Os produtos enriquecidos com essa substância são indicados a quem já tem colesterol alto”, avisa Ana Maria". Mas, segundo os Blogs da nutricionista Ana Rosa e o Cura pela natureza, a margarina ainda é uma vilã que deve ser evitada, já que nada mais é que a famosa gordura trans! Segundo os textos desses blogs, comer margarina ao invés de manteiga aumenta em ate 53% o risco de desenvolver doencas coronarianas principalmente em mulheres. A margarina triplica o risco de doencas coronarianas e aumenta em até cinco vezes o risco de câncer. A margarina, aumenta o colesterol total, diminui o HDL ("bom" colesterol) e aumenta o LDL (colesterol "ruim"). Além disso: a manteiga, principalmente aquelas naturais, conhecidas como "manteigas da terra" tem acao anti-fungica e, ao contrario do que se pensa: NÃO AUMENTA O COLESTEROL! A manteiga é naturalmente rica em omega-6 (um tipo de gordura essencial ao nosso corpo). A manteiga aumenta a absorcao de alguns nutrientes presentes em outros alimentos como, por exemplo, vitaminas A, D, E e K, além de ser também fonte natural de algumas dessas vitaminas, enquanto que as vitaminas presentes na margarina são adicionadas industrialmente.

11 - Quindim por compota de frutas 
Os doces costumam ser condenados por carregarem açúcar demais. Quando a discussão envolve colesterol, porém, o açúcar pesa menos do que outro ingrediente comum em quindins, brigadeiros e bolos: a gordura. A manteiga, o creme de leite e outros ingredientes gordurosos que dão consistência aos quitutes levam consigo ácidos graxos saturados, que alavancam as taxas de LDL. Não à toa, os especialistas aconselham trocar esse tipo de sobremesa por opções que, sem perder o sabor adocicado, são desengorduradas. O melhor exemplo são as compotas de frutas. Só não vale, é claro, abusar


12 - Suco de laranja pelo de uva
Essa é para matar a sede e resguardar o peito. É na casca da uva que está um parceiro do coração, o resveratrol. “Ele atua na redução do colesterol e tem efeito antioxidante”, diz a bioquímica Tânia Toledo de Oliveira, da Universidade Federal de Viçosa, em Minas Gerais. Ao impedir que as partículas de LDL se oxidem, a substância evita indiretamente que elas grudem na parede do vaso. Ao contrário do que muita gente pensa, o resveratrol não é exclusivo do vinho. O suco de uva natural e feito na hora (com casca, por favor!) também o disponibiliza ao organismo.


13 - Chá de ervas por chá-mate
Não é campanha contra a receita da avó, mas as infusões à base de camomila e afins perdem feio para o mate se o assunto é colesterol. Que o digam cientistas da Universidade Federal de Santa Catarina, que avaliaram as propriedades dessa erva típica do sul do país. “Notamos uma queda de 8,5% nos níveis de LDL em voluntários com taxas normais e uma redução extra de 13,5% em pessoas que tomavam remédios para abaixar o colesterol”, conta o farmacêutico Edson Luiz da Silva, que liderou a pesquisa. A proeza vem das saponinas, moléculas presentes no mate. “Elas diminuem a absorção do colesterol no intestino, favorecendo sua excreção pelas fezes”, explica.

14 - Cebola branca por cebola roxa 
Essa troca pode ser estendida à alface e ao repolho: prefira sempre o roxo. As hortaliças com essa cor abrigam um pigmento que aplaca o colesterol, a antocianina. “Experimentos feitos em animais no nosso laboratório mostraram que ela reduz consideravelmente a concentração da gordura no sangue”, conta a professora Tânia Toledo de Oliveira, da Universidade Federal de Viçosa. “A substância inibe uma enzima que participa da síntese de colesterol no fígado, além de aumentar sua eliminação do organismo.” Morangos e cerejas, saiba, também são reservas de antocianinas.


15 - Molho branco pelo de tomate 
O macarrão é o mais inocente por aqui. Quem incentiva ou não a escalada do colesterol é o molho — sempre. O branco é bem gordo. Em 2 colheres de sopa encontramos 4,5 gramas de gordura. Como o preparo exige creme de leite e queijo, o prato fica cheio de ácidos graxos saturados. Uma bela macarronada ao sugo não guarda esse perigo. Nas mesmas 2 colheres de sopa, há somente 0,1 grama de gordura. “Apenas procure usar o molho de tomate feito em casa e evitar a manteiga no momento de refogá-lo”, orienta a nutricionista Ana Maria Lottenberg. E, se possível, opte pela massa integral.


16 - Chocolate ao leite pelo amargo 
O doce de cacau se notabilizou como um amigo do sistema circulatório. Mas não é todo chocolate que, de fato, prova sua amizade às nossas artérias. O tipo que merece respeito é o amargo. “Ele possui menos gorduras saturadas que o branco e a versão ao leite”, afirma a nutricionista Vanderlí Marchiori, colaboradora da Associação Paulista de Nutrição. “Sem falar que fornece catequinas, substâncias que ajudam a sequestrar o LDL e impedir sua oxidação”, diz. Mas fique atento ao rótulo: amargo de verdade tem mais de 60% de cacau em sua composição

17 - Sal por ervas e alho 
Está em suas mãos uma maneira de preservar os vasos sem deixar a comida ficar insossa: em vez de exagerar no sal, ingrediente que patrocina a hipertensão, use a imaginação e as ervas aromáticas, além de alho. “Ele tem compostos capazes de controlar o colesterol”, exemplifica Vanderlí. E ervas como o orégano e o alecrim merecem ser convidadas à cozinha por causa do seu poder de fogo contra a oxidação, um fenômeno que, você já sabe, não poupa o LDL, tornando-o ainda mais danoso para as artérias. Mas essa ação pode minguar quando os ingredientes são expostos a temperaturas elevadas. Procure acrescentá-los nos minutos finais do cozimento.

18 - Frango com pele pelo frango sem pele
Muita gente pensa que basta despir uma coxa de frango assada no prato para se livrar de um boom de colesterol. Ledo engano. “Retirar a pele é, sim, fundamental, mas isso deve ser feito antes de levar a carne ao fogo”, esclarece a nutricionista Cláudia Marcílio, do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, em São Paulo. “Quando submetidos ao calor, a gordura saturada e o colesterol da pele conseguem se dissolver e penetrar na carne”, justifica Ana Maria. Aí, será tarde…




19 - Queijo pelo tofu 
A intenção não é jogar mais pedras sobre o parmesão, o provolone e até o minas, mas abrir espaço ao tofu, que é feito de soja. Ele é uma preciosidade porque concentra o que o grão tem de melhor: proteínas e isoflavonas. “A proteína da soja aumenta a atividade de receptores que colocam o LDL para dentro das células e inibe a principal enzima responsável pela produção de colesterol”, explica a nutricionista Nágila Damasceno, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. E as isoflavonas não só potencializam a queda do LDL como evitam sua oxidação.


20 - Pipoca de micro-ondas pela de panela
Faz toda a diferença investir um tempo a mais para estourar o milho no fogão. “É uma forma de controlar a quantidade de gordura no preparo, porque no produto de micro-ondas ela já é fixa”, argumenta a doutora em ciência dos alimentos Maria Cristina Dias Paes, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, em Sete Lagoas, no interior de Minas Gerais. A versão que ganha na praticidade perde pontos porque carrega ácidos graxos saturados e trans. “Na panela, dá para usar um óleo mais saudável, como o de canola”, diz Cristina. Daí, você aproveita as fibras do milho, deixando seu colesterol em paz.


* O bauru é um sanduíche brasileiro inventado por Casimiro Pinto Neto, apelidado "Bauru" em referência à sua cidade natal, no restaurante Ponto Chic do Largo do Paiçandu, em 1934 [1]. O sanduíche logo se tornou popular e foi batizado com a alcunha de seu criador. A receita original de Pinto Neto, oficializada pela lei municipal 4314, de 24 de junho de 1998, aprovada pela câmara dos vereadores de Bauru, consiste em um pão francês com rosbife, fatias de tomate, picles e queijo muçarela derretido, condimentado com orégano e sal[3]. Há, atualmente, variações da receita, que todavia não são tidas como o verdadeiro bauru.

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Dicas da Fefe: Salsinha desidratada fresca

O ano começa com novidades!

Uma nova e especialíssima parceira está entrando aqui no Blog com dicas preciosas para nossas aventuras gastronômicas. Minha mana, Fernanda Lafetá, apresentará aqui alguns segredos que vem aprendendo no curso de cozinheiro profissional para facilitar nossa vida na cozinha e deixar nossos pratos cada vez mais saborosos e lindos.
Para começar, vamos aprender a fazer a salsinha desidratada. Muito utilizada pelos chefs para finalizar a decoração dos pratos. A vantagem de se fazer exatamente esta aqui que a Fernanda ensina é que a terá fresca, com todas as propriedades nutricionais ativas para o consumo. Segundo minhas pesquisas cibernéticas, salsas são ricas em vitaminas A, B1, B2, C e D, se consumidas cruas, já que o cozimento elimina parte dos seus componentes vitamínicos. É diurética (facilita a secreção da urina); emenagoga (provoca a vinda da menstruação); carminativa (combate os gases intestinais); expectorante (facilita a expectoração); antitérmica (combate a febre); eupéptica (melhora a digestão); vitaminizante (colabora na regeneração das células); aperiente (abre o apetite); antiinflamatória (combate inflamações). Mas cuidado! A salsa, através de uso interno, é contra-indicada para gestantes e lactantes, pois um de seus componentes, o apiol, é estrogênico; isto é, altera o sistema reprodutor feminino e pode provocar o aborto. Dela tudo pode ser usado: folhas, caules, raízes e sementes. A reprodução é feita por sementes, num local ensolarado e em solo que não seja demasiado compacto. Também pode ser cultivada em vasos fundos em uma janela ensolarada.*
O passo-a-passo da salsinha desidratada fresca é até simples.


Para começar lave bem as folhas. Pique-as bem miúdas. Quando achar que estão pequena, pique um pouco mais e depois mais. Afinal, é necessário que fiquem minúsculas! Depois coloque em um pano tipo perfex novo, faça uma trouxinha e lave em água corrente da torneira. Torça bem o perfex para que a salsinha seque bde verdade (se ele rasgar é normal). Repita do outro lado torcendo mais um pouco. Certifique-se que está bem sequinho! Abra o pano e transfira a salsinha para um papel toalha. Voilá! Estará seca e pronta para decorar seus pratos.

Aproveite essa dica. A salsa é a erva aromática mais conhecida e utilizada na cozinha. Originária dos países mediterrâneos, tempera bem qualquer tipo de prato salgado. É ideal para incrementar arroz, molhos, refogados, sopas, peixes, carnes e frangos.
Bon appétit! 
*Fonte: http://www.kdfrutas.com.br/saibamais/salsa

domingo, 6 de janeiro de 2013

Côngrio ao molho de champignons


Após passar deliciosas férias nas lindas praias de João Pessoa, cá estou de volta com uma receita de dar água na boca! Há tempos desejo fazer o Côngrio. Um peixe de origem chilena, originário das águas geladas do Oceano Pacífico, de carne branca e praticamente sem espinhos. Fiz algumas pesquisas de receitas e a que me apeteceu foi a do site Tudo Gostoso, que inclusive indico a quem estiver procurando alguma dica específica, pois lá tem de tudo!


Para começar a receita deve-se temperar os filés de peixe com uma pitada de sal, uma pitada de pimenta do reino, ervas finas (eu usei ervas de provence), 1 envelope de hondashi, raspas de 2 limões e 1 xícara (café) de vinho branco seco.
Depois passe os filés do Côngrio em farinha de trigo. Em uma frigideira não aderente despeje um pouco de azeite e deite os filés. Deixe tostar de ambos os lados, virando com cuidado para o peixe não quebrar. Em seguida acomode-os em um refratário e reserve. Ligue o forno.
Em outra panela aqueça 2 colheres (sopa) de manteiga e 1 colher (sopa) de azeite de oliva. Frite 1 cebola média picadinha até que fique transparente. Junte 1 xícara (chá) de vinho branco seco.
Quando ferver acrescente 1 xícara (chá) de leite com 2 colheres (sopa) de amido de milho (maizena) já dissolvido junto. Quando engrossar junte 1 pote de creme de leite fresco, 2 colheres (sobremesa) de mostarda de Dijon e 200g de champignons. Despeje sobre os filés de congrio e leve ao forno até começar a ferver. Polvilhe 1 colher (sobremesa) de grãos de mostarda e sirva em seguida. Prepare-se para aquela famosa "explosão de sabor"!
Para acompanhar servi batata palha. Mas acredito que a batata sauté ou arroz branco também caem muito bem. Para decorar, salsinha desidratada.
Bon Appétit!